Diferenças entre Suicídio Assistido, Eutanásia, Distanásia, Ortotanásia e Mistanásia4 min de leitura

Diferenças entre Suicídio Assistido, Eutanásia, Distanásia, Ortotanásia e Mistanásia4 min de leitura

Possivelmente você já deve ter ouvido ou lido por aí sobre o conceito de EUTANÁSIA, mas, o que muitas pessoas não sabem, é que existem outras terminologias que também se referem a pacientes em estado final de vida – e é sobre isso que eu vim falar hoje.
Antes de tudo, é importante saber algumas dessas práticas não são permitidas por lei em território brasileiro e elas são bastante discutidas no conceito da Bioética, uma área de estudos filosóficos que busca a fundamentação ética do tratamento da vida em seus mais variados aspectos (percorrendo a filosofia, o direito e as ciências humanas).

Aqui no Brasil, a advogada especialista Luciana Dadalto (que já esteve com a gente em diversos eventos) é uma dessas estudiosas que aborda o tema.

Ela também é administradora do portal Testamento Vital que você pode conferir clicando no link:

E então, no que consistem essas práticas consideradas ainda polêmicas?

SUICÍDIO ASSISTIDO

Para abreviar a morte, o próprio paciente se autoadministra uma dose letal de um fármaco, prescrita por um médico
Legalizado na Suíça, Canadá e em dez estados dos Estados Unidos.

EUTANÁSIA
Consiste na abreviação da morte de pacientes que estejam com doenças em estágio terminal e incurável, promovendo a diminuição do sofrimento.
A possibilidade da Eutanásia é levada em consideração quando não há mais tratamentos possíveis para melhorar o quadro clínico do paciente.

EUTANÁSIA VOLUNTÁRIA: após consentimento, medicamentos ou procedimentos são administrados para levar a morte do paciente.
Legalizada na Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Colômbia e Espanha.

EUTANÁSIA INVOLUNTÁRIA: administração de medicamentos ou procedimentos que levam o paciente a morte. NÃO HÁ CONSENTIMENTO E ESSA PRÁTICA É ILEGAL NO MUNDO TODO.

DISTANÁSIA
Também chamada de Obstinação Terapêutica, ela se refere a atos e condutas que prolonguem, de modo artificial, a vida do paciente.
Aqui, não há perspectiva de melhora no prognóstico ou na qualidade de vida.
É como uma tentativa incessante de manter o paciente vivo, custe o que custar.
A morte pode ser mais lenta, dolorosa e ainda causa desgaste físico, emocional e financeiro ao paciente e seus familiares.

ORTOTANÁSIA
Significa o não prolongamento do processo de morte de um paciente com uma doença grave, permitindo que ela aconteça de forma natural.
Normalmente, ela está associada ao conceito de Cuidados Paliativos.

São feitas adequações de tratamentos e medicações invasivas que podem estar causando ainda mais sofrimento ao paciente e seus familiares.
Neste caso, o objetivo não é abreviar nem adiar a morte, mas MANTER A DIGNIDADE da pessoa que está doente, respeitando seus desejos de fim de vida.

MISTANÁSIA
É a morte miserável, por omissão, negligência ou incompetência (ou insuficiência) de atendimentos de saúde.
Considera-se Mistanásia uma morte indevida, precoce e evitável, associada a um erro médico – que pode fazer com que o profissional de saúde venha a enfrentar processos e a perda de seu CRM.
Um exemplo disso é a situação de morte de moradores de rua que não recebem assistência médica ou o mínimo de dignidade para viver.

“E quando minha hora chegar no Brasil?” foi uma conversa que tivemos no Festival inFINITO 2021 com Luciana Dadalto onde ela aborda mais sobre esses conceitos. Você pode conferir clicando aqui embaixo:

Compartilhe

Compartilhe

Nos acompanhe também em outros canais:

Nos acompanhe também em outros canais:

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR_